Gestante e Grávida

Depressão pré-natal: causas, sintomas e tratamento

Depressão pré-natal

É comum ouvir falar em depressão pós-parto e pouco em depressão pré-natal ou perinatal.

Por este motivo, muitas gestantes não têm dado a devida importância, mesmo tendo os sintomas.

Para saber todos os detalhes sobre o assunto, leia este artigo, a seguir.

Quão comum é a depressão pré-natal?

Estudo realizado pelo Coren (Conselho Regional de Enfermagem) concluiu que 10% das gestante sofrem de depressão pré-natal. Mulheres com histórico de depressão ou que possuem dificuldades econômicas estão entre os principais casos. Porém, infelizmente, a procura por ajuda ainda é pequena.

Sintomas:

A depressão pré-natal se manifesta de maneira diferente em cada mãe.

A seguir, alguns dos sintomas mais comuns:

Publicidade
Continua após a publicidade..
  • Preocupação excessiva com o bebê;
  • Sentimento de sobrecarga;
  • Falta de interesse em atividades que antes gostava;
  • Sentimento de culpa;
  • Dificuldade de concentração;
  • Dificuldade para dormir;
  • Devaneios;
  • Raiva;
  • Relutância em seguir recomendação da saúde no pré-natal;
  • Afastamento e vontade de se desconectar dos entes queridos;
  • Pensamentos de suicídio.

Fatores de risco:

Nenhuma mulher está imune à esta doença. Porém, existem fatores que se tornam mais propensos a ter. São eles:

  • Maternidade solo;
  • Gravidez indesejada;
  • Histórico de violência doméstica;
  • Menor apoio social;
  • Nível socioeconômico.

A depressão pré-natal pode afetar o bebê?

A depressão perinatal só vai afetar o bebê, caso os sentimentos de depressão prejudique, por exemplo, a alimentação. Se não tratado, este problema pode afetar a capacidade de ganho de peso da mãe. Por isso a necessidade de informar o quanto antes o médico obstetra, caso identificado os sintomas. Assim, ele poderá orientá-la da melhor maneira, podendo encaminhar a um psicólogo.

Mantenha uma gestação saudável, com a prática de exercícios e alimentação balanceada. Essas duas dicas, no entanto, devem ser acompanhadas de um especialista.

Mariana Bastos Gomes Nolasco

37 anos, casada, residente de Itaperuna.

Possui Graduação em:
Estética (2008),
Nutrição (2013),
Atualmente cursando Medicina (término em 2024).

Pós-Graduação em:
Docência do Ensino Superior;
Nutrição Clínica Funcional e Fitoterapia;
Neurociêntista.

Membro da Associação Brasileira de Nutrição Materno Infantil (ABRANMI).

Formação complementar: Doula, Consultora de Sono Infantil, Educadora Parental Infantil, Consultora em Aleitamento Materno, Laser terapeuta, Costureira Industrial do Vestúario, Modelagem Feminina e Maquiagem Profissional.

Você também pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *