Gestante e Grávida

Grávidas E Animais Podem Conviver Juntos?

Saiba o que é mito e o que é verdade sobre esta relação 

As grávidas e os animais

A gravidez é o momento de preparar os ouvidos para escutar os “pitacos” mais diversos. Conviver com animais domésticos com certeza está na lista.

Geralmente boa parte dos conselhos vêm dos idosos que, ao chegarem na casa da gestante, já se espantam com algumas coisas. Afinal, quem nunca ouviu da mãe ou da avó para se livrar dos bichinhos o quanto antes? A justificativa? É de que eles podem transmitir diversas doenças.

Mas, será que conviver com seu pet estando grávida gera algum risco? Ou será que pode ser ao contrário, eles podem ter o poder de criar anticorpos entre outros benefícios?

Estas e outras respostas você pode conferir a seguir. Preparamos este artigo acerca dos mitos e verdades sobre a convivência entre as grávidas e os animais domésticos.

Te convido a conferir e deixar seu comentário ao final…

Grávidas e animais domésticos

Os cachorros transmitem doença

Mito: se você convive com seu cachorro em casa há muito tempo você não corre o risco de contrair nenhuma doença. Até porque, uma pesquisa realizada pela Universidade de Liverpool (Inglaterra), concluiu que as gestantes têm 50% mais chances de praticar exercícios físicos tendo cães em casa.

E os exercícios durante os nove meses são indicados pela Organização Mundial da Saúde com frequência de, pelo menos, três horas por dia.

Grávidas e animais domésticos
Crédito: TeamK/Pixabay

Mas, e os gatos?

Mito/Equívoco: O gato ainda é visto como mais propício a transmitir doenças durante a gestação, ao contrário dos cachorros. O maior receio é com a toxoplasmose – que é causada pelo parasita Toxoplasma gondii. Se contraída, esta doença pode causar aborto, má formação fetal, sequelas neurológicas ou problemas oculares.

No entanto, especialistas explicam que apenas 1% dos felinos contraem esta doença, mas eles mesmos precisam estar doentes.

A forma de contágio mais comum da toxoplasmose são: a ingestão de carne contaminada, crua ou mal cozida, assim como a ingestão de alimentos que tiveram contato com objetos contaminados.

Publicidade
Continua após a publicidade..

E os animais de rua, oferecem perigo?

Verdade: estes animais que vivem nas ruas podem transmitir doenças às grávidas. Isso  porque é impossível saber da origem, do convívio e ao que se passaram. Qualquer mordida ou arranhão pode passar doenças às gestantes.

Ainda sim, não é recomendado que a gestante faça contato com medicamentos na tentativa de tratar o bichinho em casa. O melhor a se fazer, neste caso, é contactar algum amigo que goste de bichos e que esteja disposto a tratá-los em casa.

Os passarinhos são seguros?

Mito: eles podem carregar algumas doenças como psitacose – que é transmitida principalmente por papagaios, araras e periquitos.  A contaminação acontece ao respirar as fezes, mas neste caso só irá prejudicar a grávida. Ao entrar em contato, a gestante pode ter dor de cabeça, tosse, febre e prostração.

Répteis de estimação também causam doenças?

Répteis de estimação também podem apresentar risco à gestante Crédito: Willypomares/Pixabay

Verdade: Além destes, é importante também lembrar que répteis como cobras, lagartos e tartarugas criados em casa apresentam grande risco à gestante. Estes podem transmitir a salmonelose, uma infecção por bactéria.

Mesmo que os répteis não estejam doentes, eles podem sim carregar esta bactéria. A salmonelose, ou salmonela, provoca náuseas, vômitos, diarreia, dores abdominais, febres e dores no corpo.

Para demais esclarecimentos, sobre a relação entre as grávidas e os animais domésticos, e até mesmo no caso de aparecimento dos sintomas citados, a opinião de um médico deve ser sempre levada em conta.

Mariana Bastos Gomes Nolasco

37 anos, casada, residente de Itaperuna.

Possui Graduação em:
Estética (2008),
Nutrição (2013),
Atualmente cursando Medicina (término em 2024).

Pós-Graduação em:
Docência do Ensino Superior;
Nutrição Clínica Funcional e Fitoterapia;
Neurociêntista.

Membro da Associação Brasileira de Nutrição Materno Infantil (ABRANMI).

Formação complementar: Doula, Consultora de Sono Infantil, Educadora Parental Infantil, Consultora em Aleitamento Materno, Laser terapeuta, Costureira Industrial do Vestúario, Modelagem Feminina e Maquiagem Profissional.

Você também pode gostar...

2 comentários

  1. Daiane Diniz Fernandes Wittkowsk diz:

    Na minha gestação eu tive acompanhamento até o final da toxoplasmose…pois sempre tive gatas….quando descobri que estava grávida a minha obstetra me obrigou a se desfazer da minha gata…. lógico que não fiz isso…minha mãe cuidou muitooooo bem dela…até meu bebê completar acho que uns 4 meses…. Porém minha gata morreu por tristeza e abandono.

    1. Dica de Lingerie diz:

      Nossa, Daiane, sentimos muito por isso.

      Animais carecem de carinho e nem sempre as pessoas se dão conta.

      Agradecemos o seu depoimento!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *