Maternidade

Mommy Burnout – Esgotamento Crônico Materno. Entenda!

Mães estão propensas a terem "mommy burnout"

Ser mãe é o sonho de muitas mulheres. Imagina cuidar daquele “serzinho”?! Parece maravilhoso! E é, mas poucos contam a realidade da maternidade, de que a mãe tem esgotamento crônico, podendo ser diagnosticada com “mommy burnout”.

Para quem não sabe, a Síndrome de Burnout é comum no meio profissional, sendo identificada como um distúrbio psíquico. Ela tem como características principais o estado de tensão emocional e estresse crônico provocado por dedicação excessiva ao trabalho.

Nos Estados Unidos, a síndrome foi diagnosticada em mães sobrecarregadas, tendo esta definição: mommy bunout.

Como saber se a mãe sofre de mommy burnout?

É importante entender que cansaço é totalmente diferente de exaustão crônica. Ao acordar, a mãe que sofre de exaustão só pensa a que horas poderá dormir novamente.

Essa exaustão, inclusive, é o maior sinal de mommy burnout, mas não o exclusivo. A síndrome geralmente acomete mães muito perfeccionistas que, juntando toda a rotina diária, acabam ficando irritadas, sem interesse em cuidar das crianças, com pensamentos negativos e falta de motivação.

Se você é mãe de recém-nascido, tenha atenção!

É comum algumas mães estarem sempre insatisfeitas como que estão cuidando dos filhos. Para elas, nada nunca está perfeito e acabam se cobrando muito. Esses tipos de mães são as mais propensas a contraírem a Mommy Burnout. Por isso, é preciso total atenção neste período.

Publicidade
Continua após a publicidade..

Mommy Burnout x tempo de pandemia

Se antes a jornada das mães era extensa, imagine no tempo de pandemia e risco de Covid19? Afinal, além de mãe, médica, psicóloga, dona de casa… a mãe precisou ser professora com mais intensidade, aliando tudo isso ao mesmo tempo e trabalhando home office. Parece até Lei de Murphy!

Neste momento, é preciso ter mais atenção ainda com o esgotamento crônico materno. Saiba, então, a seguir, como lidar com toda esta rotina!

É possível amenizar a rotina diária?

Se você se identificou com tudo o que foi descrito antes, saiba que você não está falhando, pelo contrário, está dando o melhor de si a cada dia. Entretanto, se dê ao luxo de largar tudo de mão um pouco para poder descansar, nunca negue ajuda e, acima de tudo, saiba dizer não e se priorizar. Se os sintomas persistirem, procure ajuda médica imediatamente.

Gostou do artigo? Comente aqui com a gente!

Mariana Bastos Gomes Nolasco

37 anos, casada, residente de Itaperuna.

Possui Graduação em:
Estética (2008),
Nutrição (2013),
Atualmente cursando Medicina (término em 2024).

Pós-Graduação em:
Docência do Ensino Superior;
Nutrição Clínica Funcional e Fitoterapia;
Neurociêntista.

Membro da Associação Brasileira de Nutrição Materno Infantil (ABRANMI).

Formação complementar: Doula, Consultora de Sono Infantil, Educadora Parental Infantil, Consultora em Aleitamento Materno, Laser terapeuta, Costureira Industrial do Vestúario, Modelagem Feminina e Maquiagem Profissional.

Você também pode gostar...

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *